Tribunal de Justiça do Amazonas leva campanha "crack nem pensar" ao parlamento

A partir de 2012, o Estado deverá colocar equipes de segurança em eventos e festas populares como shows de música, carnaval, carnaboi, etc., para combater a circulação de drogas. A legislação será votada no bojo de um um projeto de lei de autoria do Presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ricardo Nicolau e foi anunciada ontem, durante a apresentação, em Plenário, de um vídeo institucional da campanha de combate ao crack, que vem sendo desenvolvida pelo Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), por indicação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O projeto que deverá ser votado no início do ano Legislativo, nasceu por iniciativa do juiz Carlos Queiroz, que em sua fala na Sessão da Assembleia cobrou a presença do Estado nesses eventos.

O vídeo foi apresentado em Sessão de tempo solicitada pelo deputado Cabo Maciel. Antes de iniciar a projeção, o presidente da Aasa, Ricardo Nicolau, chamou para comporem a Mesa os desembargador João Simões, presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM); o desembargador Sabino Marques, coordenador do Grupo de Monitoramento Carcerário e os juízes Carlos Queiroz e Elci Simões, que também, fazem parte do grupo com,posto por 12 magistrados, além do coordenador do Núcleo de Advocacia do TJAM, Jaime Marinho.,

Lançada pelo Conselho em 2010, a campanha “Crack, nem pensar” vai buscar conscientizar a população, independentemente da classe social, sobre os males provocados depois do consumo do “crack” na saúde e, principalmente, nas relações sociais e familiares.

“Quero dizer que muitas vezes, as pessoas no dia a dia quando observam esses vídeos, essas campanhas de combate às drogas, vêem como uma propaganda a mais, mas nós esquecemos que isso não é uma questão simples. O Brasil tem 500 mil pessoas presas e com certeza, uma grande parcela dessas pessoas são encarceradas por problema de droga e tráfico de droga”, afirmou João Simões.

Em Manaus

Com o mote “Crack nem pensar”, a campanha está sendo desenvolvida pelos tribunais de todo o Brasil. De acordo com o desembargador João Simões, a campanha parte do princípio de que a melhor forma de prevenção contra as drogas é a informação. “O vídeo, elaborado pelo Grupo de Monitoramento Carcerário, procura sensibilizar toda sociedade a participar da iniciativa para combater este mal que coloca em risco nossas gerações”, disse o presidente.

Afirmou ainda o presidente do TJAM, “a droga é uma droga, nós não devemos enveredar por esse caminho, temos que mostrar as mazelas que isso causa. Só mostrando o estrago que acontece é que nós podemos causar um impacto em quem começa a usar droga. A pessoa perde completamente o limite, o significado da fronteira entre o certo e o errado. Essa abordagem de como cuidar dessas pessoas tem que ser feita com muito cuidado”.

Para Sabino, o material publicitário irá atuar de forma preventiva e visa alertar o público para, assim, contribuir para a redução do número de novos usuários. As ações terão início com uma extensa campanha publicitária, a ser disseminada por vários veículos de comunicação de massa. “Estamos aqui para tratar uma questão de caráter mundial. Sabemos como a situação se desenvolve. Estamos todos nessa luta, é um desafio lançado e não sobrevivemos ao discurso de que esse flagelo ainda não chegou aqui em nosso Estado, chegou e o problema está latente.”

De forma didática e esclarecedora, o vídeo traz mensagens do presidente do TJAM, do coordenador do grupo, do superintendente da Polícia Federal, Sérgio Fontes e de um psicólogo da “Fazenda da Esperança”, de recuperação de dependentes químicos. O presidente da Casa, Ricardo Nicolau anunciou que o Legislativo vai engrossar a campanha contra o crack, colocando à disposição a TV Assembleia para que o TJAM possa divulgar o vídeo. Também fizeram uso da palavra os, deputados Sidney Leite, Luiz Castro, Tony Medeiros, Conceição Sampaio, José Ricardo Wendling, Vera Castelo Branco e Wilson Lisboa.

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *