EXPOSIÇÃO DO ESCRITÓRIO
Antes de criar um blog, é
preciso definir seu conteúdo

Por João Ozorio de Melo

3Os mecanismos de busca da internet, como o Google, colocavam muita ênfase em palavras-chave. E a “ciência” dos redatores qualificados continua sendo a de prever o que um internauta vai escrever nos mecanismos de busca. E, então, inseri-las no título, subtítulos, intertítulos e no texto. A isso se juntam links a outras páginas da web, que contêm as mesmas palavras-chave. Tradicionalmente, as “aranhas” da rede não resistem a essa armadilha.

Mas novas tecnologias mudam tudo, a cada dia. Hoje, o Google e outros mecanismos de busca ficaram mais “inteligentes” e estão usando fórmulas mais sofisticadas para identificar outros elementos-chave que irão determinar o posicionamento dos resultados da busca em suas páginas. Entre eles estão a frequência que um website é atualizado e, ainda mais importante, a qualidade do conteúdo da postagem.

Uma afirmação comum há pouco mais de 15 anos, na época em que a ConJur foi criada, era a de que “a internet tem de tudo, difícil é encontrar alguma coisa”. De lá para cá, o trabalho das empresas de mecanismo de busca foi mudar esse panorama. Fizeram um grande progresso ao estabelecer um papel fundamental para o conteúdo das postagens como elemento-chave nas buscas.

Assim, hoje, quem publica blogs na internet — uma das melhores ferramentas de marketing para empresas, incluindo escritórios de advocacia — quer saber, antes de bater na primeira tecla do computador, como encontrar conteúdo relevante para suas postagens. Essa é uma questão que precisa ser respondida. Antes, porém, é preciso responder a outras perguntas, tais como:

1) Qual é o objetivo do blog? Conquistar novos clientes e manter os atuais informados, para que não percam sua conexão com a banca? Promover a “marca” do escritório, por prestar um serviço à comunidade ligada a seus serviços? Promover uma entidade ou associação? Defender uma boa causa, mesmo que não diretamente ligada à advocacia, mas que pode dar prestígio à banca? Fazer uma carreira política, com vista a assumir um cargo em entidade de classe ou em um órgão legislativo? Uma pergunta feita vez ou outra na ConJur: “qual é a vocação desta publicação?”;

2) Qual é o público-alvo do blog? A resposta a essa pergunta é um desdobramento do objetivo do blog. Define com maior clareza o tipo de conteúdo que o blog trará e a sua linguagem. Se o objetivo for, por exemplo, conquistar novos clientes, quem são eles? São os próprios possíveis clientes ou são fontes de recomendação de clientes, como outros profissionais do Direito? Quem decide sobre a contratação de advogado? Qual é o nível de conhecimento médio deles? Onde eles estão?

3) Qual é a utilidade do blog? Como o blog pode ajudar, de alguma forma, meu público-alvo? O que eles precisam? O que eles querem? Quais são as necessidades deles que o blog %