Advogada é vitima de violência policial

Presidente Simonetti Neto garantiu que a violência praticada contra advogados não fricará sem resposta
Presidente Simonetti Neto garantiu que a violência praticada contra advogados não fricará sem resposta

A advogada Islene Marques Setubal foi vítima de violência policial durante a madrugada, quando em exercício da profissão.

Uma equipe de policiais militares lacrou uma casa de shows sob a alegação de que o Alvará de Funcionamento apresentado pelo proprietário seria falso. A advogada foi chamada ao local pelo dono da casa de show, de forma a possibilitar a solução do incidente. Ao questionar a análise feita pelo policial militar, sobre a falsidade documental, a advogada foi humilhada e agredida fisicamente na frente de todos os presentes.

O dono da casa de shows foi conduzido para a Delegacia, acusado pela falsidade do documento. Na delegacia de Policia Civil, o dono da casa de shows foi liberado diante da confirmação da veracidade do documento pelo delegado.

O presidente Simonetti Neto e o vice-presidente Marco Aurélio Choy, acompanham o caso de perto diante do aumento de denuncias de violência policial por parte da P.M. contra advogados. O Presidente da Comissão de Direitos e Prerrogativas, Christhian Naranjo, informou que cresceu de forma assustadora o número de denúncias contra policiais militares, em alguns casos havendo até mesmo disparo de arma de fogo contra o advogado, como aconteceu com o advogado Ary Sergio Motta. Noutro incidente a carteira de um advogado foi quebrada ao meio por um policial militar, quando o advogado apresentou a identificação.

O Presidente Simonetti Neto fez contato com o Chefe da Casa Civil, Raul Zaidan, que tomou a frente da questão, mesmo interrompendo compromisso familiar. Da mesma forma o Secretário de Segurança, Coronel Vital, que telefonou para o Presidente da OAB garantido que será realizada rigorosa apuração dos fatos, com punição dos autores da violência.

A diretoria da OAB Amazonas avisou que não tolerará violência contra advogados sob qualquer hipótese, recorrendo a todas as instâncias necessárias para fazer cessar o inaceitável abuso. Um encontro com o Procurador Geral de Justiça será agendado de forma urgente.

Agora pela manhã os membros da Comissão De Direitos Prerrogativas da OAB Amazonas, Adenir Costa e Andre Fernandes estiveram na Corregedoria da Policia Militar para acompanhar procedimento.

 

LEIA ABAIXO O DEPOIMENTO DA ADVOGADA.

 

PÁGINA 1

 

PÁGINA 2

 

Fonte: Site OAB/AM

 

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *