JUIZ DO TJAM REALIZA CASAMENTO
COLETIVO EM PRESÍDIO DE MANAUS

1Segundo informações da 4ª Vara de Família, este foi o primeiro casamento coletivo civil realizado em um presídio de Manaus

O juiz da da 4ª Vara de Família do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), Luís Claudio Chaves, oficializou a união civil de dez detentos da unidade prisional do Puraquequara, Zona Leste de Manaus, na tarde desta terça-feira (25). O casamento coletivo foi organizado pela Secretaria de Estado da Justiça e Direitos Humanos (Sejus), que é dirigida pelo coronel Louismar Bonates.

 “Este foi o primeiro casamento coletivo que celebrei em um presídio de Manaus. Foi muita emoção. Nos 14 anos que passei como juiz de Direito em outros municípios do Amazonas, sempre o que me chamou atenção nos presídios foi o fato de, em geral, as mulheres não abandonarem seus companheiros e filhos; estavam sempre lá nos dias de visita, durante anos. Isto não ocorre com os homens, que não costumam visitar suas companheiras e logo as abandonam. Hoje pude constatar, mais uma vez, essa realidade: dos dez casais do casamento coletivo, todos os homens é que estavam presos e suas mulheres estavam lá para confirmar seu compromisso”, disse o magistrado.

 Luís Cláudio, ao comentar por que realiza casamentos coletivos em presídios, afirmou que entende ser dever do Poder Judiciário realizar ações a fim de garantir a efetividade dos princípios da igualdade e da dignidade da pessoa humana, que são fundamentos da República Federativa do Brasil. “Acredito, também, na capacidade libertadora e regenerativa do amor. É bem verdade que o índice de reincidência dos que cumprem pena restritiva de liberdade no Brasil está em torno de 70%. E também é verdade que a família exerce fator importante na ressocialização dos presos. Daí a minha motivação de contribuir neste processo”, enfatizou.

 A assessoria da 4ª Vara da Família informou que a cerimônia do casamento coletivo – que teve cerimonial, buffet e dia de noiva – contou com uma excelente equipe de funcionários, administrados pela Sejus, que conseguiram construir um ambiente personalizado para que os casais não se sentissem em um presídio. Outro casamento coletivo já está sendo organizado pela Secretaria.

 

Texto: Giselle Campello | CORREGEDORIA

Foto: divulgação

Fonte: TJAM

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *