JUÍZA AFIRMA QUE MUDANÇAS
TRARÃO CELERIDADE AOS PROCESSOS

2Patrícia ressaltou, ainda, que com a competência específica e com a estrutura que está sendo oferecida, os processos terão maior celeridade

Presente durante a redenominação da Vara Especializada em Crimes Contra a Dignidade Sexual de Crianças e Adolescentes, que antes integrava a Vara Especializada em Crimes Contra o Idoso, Adolescente e Criança, a juíza Patrícia Chacon não poupou elogios a atual administração do TJAM. “Confesso que isso representa um grande avenço do Poder Judiciário no Amazonas. A presidente-desembargadora Graça Figueiredo foi de uma grande sensibilidade e nos estendeu a mão nesse momento em que precisávamos passar por essas mudanças”, disse a juíza.

Patrícia ressaltou, ainda, que com a competência específica e com a estrutura que está sendo oferecida, os processos terão maior celeridade. “Passaremos a oferecer para toda a sociedade elementos que nos ajudarão a combater o crime da pedofilia que tanto afligem as pessoas de bem. A justiça está preparada, posto que a vara contará com uma estrutura compatível, tanto no acolhimento quanto no caminhar do processo. Infelizmente esse crime vem aumentando cada vez mais e nós, finalmente, estamos prontos para acompanhar e combater esse crescimento”, afirma.

Na sexta-feira, às 10h, Patrícia adiantou que haverá a inauguração da nova vara. “Nós teremos uma sala de relatos que é exigida pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), com toda uma estrutura diferenciada, contando com serventuários e estagiários prontos para ouvir essa história. Aliás, todo relato é uma vivência e um drama. Então, relatar essas histórias é uma forma de reviver esses momentos tão tristes e de tortura. As marcas nunca se apagam. Um pai, um padrasto é para dar segurança e não agredir. Por isso que temos todo esse cuidado de preservar a moralidade das crianças e adolescentes”.

A juíza, antes de finalizar, lembrou que a pena para esse crimes varia de 8 a 15 anos, dependendo dos agravos. “É bom deixar claro para a sociedade que, mesmo com todas as dificuldades, nunca deixamos de cumprir o nosso dever. E agora será melhor ainda. Após os relatos e andamento dos processos, os acusados podem pegar de 8 a 15 anos de prisão, podendo ter esse valor dobrado devido a outros detalhes que envolvem a denúncia”.

Texto: Bruno Mazieri | TJAM

Foto: Raimundo Valentim | TJAM

 Fonte: DIVISÃO DE IMPRENSA E DIVULGAÇÃO DO TJAM

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *