. Presos de Manaus fazem curso de formação de eletricista

A abertura do curso foi às 8h30, na penitenciária, que funciona no KM 08 da BR 174 (Manaus-Boa Vista), e está sendo realizado em parceria com o Centro Tecnológico do Amazonas (Cetam). O projeto é uma iniciativa do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para todo o Judiciário do País. Segundo a diretora do Cetam, Joézia Pacheco, além desse curso, outros projetos em parceria com o Judiciário estão previstos para este semestre. “Estamos lançando também os cursos para pintor de obra, visando a formação de profissionais para a Construção Civil, voltado para os detentos do regime Semiaberto, e também de panificação. Este, para as mulheres. A ideia é intensificar os cursos e alcançar toda a população carcerária do Amazonas”, destacou a diretora.
A intenção é sensibilizar os órgãos públicos e a sociedade civil para que forneçam postos de trabalho e capacitação profissional para presos e egressos do sistema carcerário com o objetivo de promover a cidadania e, consequentemente, reduzir a reincidência de crimes.
De acordo com a juíza titular da 6º Vara Criminal do TJAM, Anagali Bertazzo, antes da Resolução do CNJ para que o projeto fosse colocado em prática em todo o País, o Tribunal de Justiça do Amazonas já realizava ações voltadas para a cidadania junto à população carcerária. “Esse curso é mais uma oportunidade para os detentos buscarem a sua reabilitação. Desde que o projeto foi criado, mais de cem presos foram beneficiados. Já temos alguns trabalhando na Construção Civil e também na hotelaria. Com a Copa de 2014, mais vagas de emprego vão estar disponíveis”, afirmou a juíza.
Estiveram presentes na abertura do curso, o secretário de Justiça e Direitos Humanos do Amazonas, Márcio Rys Meirelles, e o secretário executivo adjunto da Sejus, cel. PM Bernardo Encarnação Neto, além de servidores do Compaj. Meirelles destacou a importância de iniciativas como essa para a população carcerária e agradeceu aos detentos por acreditarem nas oportunidades que o curso pode trazer quando voltarem ao convívio da sociedade. “Nós estamos dando uma resposta a esses detentos, que é uma forma de humanizar o cumprimento da pena e, futuramente, eles poderão voltar ao mercado de trabalho já capacitados”, acrescentou o secretário. O curso segue por seis semanas com duração de 120 horas. Após o término, os detentos irão receber a certificação de conclusão.
Divisão de Divulgação do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM)

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *