Sala de conciliação ganha nome de servidora do TJAM

1

Rosa de Oliveira Gomes ingressou no Poder Judiciário no ano de 1999

Com uma solenidade emocionante, a servidora Rosa de Oliveira Gomes – que faleceu em setembro deste ano – teve seu nome eternizado em uma das salas do Núcleo de Conciliação das Varas de Família, na manhã desta sexta-feira, dia 27, no Fórum Ministro Henoch Reis, por meio de uma homenagem prestada pelo Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM). A cerimônia, que iniciou às 10h, contou com as presenças do coordenador do núcleo, juiz de direito Gildo Alves de Carvalho Filho; os desembargadores João Simões e Domingos Chalub, além de servidores e familiares da servidora.

Após o descerramento da placa, o esposo da servidora, Clemente Augusto Gomes agradeceu ao Poder Judiciário do Estado pela homenagem. “Devo dizer que a Rosa foi reconhecidamente uma mulher marcante. Não apenas na minha vida, foram 54 anos de convivência, mas marcante para todas as pessoas que tiveram a oportunidade conhecê-la. Ela tinha um senso de justiça muito acentuado. Dizem que o tempo cura tudo, mas não consigo esquecer a Rosa”, disse ele, visivelmente emocionado e sendo aplaudido pelos presentes.

O coordenador do Núcleo de Conciliação das Varas de Família, juiz Gildo Alves de Carvalho, afirmou que a placa foi a maneira encontrada para manter a servidora “viva dentro de todos nós”. “Ela foi colocada dentro da sala para que as pessoas que estejam participando das audiências possam se perguntar quem foi Rosa Gomes e, com isso, poderemos sempre falar sobre ela e contar um pouco da sua história. Ela foi um grande presente que nos foi dado”, declarou.

Colega do curso de direito do desembargador João Simões, ele lembrou que da relação da servidora com o seu esposo. “Ele era um verdadeiro guardião da sua Rosa. E ele tinha razão. Ela era uma pessoa meiga, equilibrada e nunca a vi de semblante fechado, fazer uma grosseria com ninguém. Sempre tinha uma palavra amiga, um gesto amigo para dar. E, por conta disso, é que ela ficou todos esses anos no ramo da conciliação. Porque ela tinha um dom próprio. Estamos gratificados com a lembrança que o Tribunal de Justiça do Amazonas teve e, para mim, foi muito significativa”, disse.

Já o desembargador Domingo Chalub, salientou que teve o privilégio de ser vizinho e colega da servidora no TJAM. “Ela não pode ser vista como funcionário e nem como conciliadora, mas sim como uma pacificadora”, corroborando as palavras do desembargador João Simões.

Vale ressaltar que a presidente do TJAM, desembargadora Graça Figueiredo está cumprindo agenda em Brasília, por conta do 9º Encontro Nacional do Poder Judiciário, realizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

HISTÓRICO

Rosa de Oliveira Gomes, bacharel em direito, nasceu em Manaus no dia 7 de junho de 1944. Filha de José Celestino de Oliveira e Odette Carlos de Oliveira. Casada com Clemente Augusto Gomes, teve três filhos. Ingressou no TJAM em 1999 para exercer, em caráter temporário, o cargo de analísta judiciário I, vindo a atuar junto ao Núcleo de Conciliação das Varas de Família.

 

Texto: Bruno Mazieri | TJAM

Fotos: Raphael Alves | TJAM

Fonte: DIVISÃO DE IMPRENSA E DIVULGAÇÃO DO TJAM

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *