CORREGEDORIA DO TJAM PARTICIPA DO I ENCONTRO NACIONAL SOBRE PJe

BRASÍLIA – O corregedor-geral de Justiça, desembargador Yedo Simões, participou no último dia 29 do I Encontro Nacional sobre o `Processo Judicial eletrônico`, organizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O PJe, como ficou conhecido, permite unificar com segurança e racionalização a tramitação de demandas judiciais, eliminando totalmente o uso do papel nos processos judiciais. O sistema elimina também inúmeras rotinas burocráticas, executadas manualmente por servidores. Com a automação, não haverá mais perda de tempo com tarefas burocráticas, criando condições para dar maior celeridade ao andamento dos processos.

O presidente do Conselho Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ayres Britto, durante a abertura do evento, destacou a importância do Processo Judicial Eletrônico (PJe) e os efeitos da sua aplicação no Judiciário, tais como ganhos ao meio ambiente (com redução de papel), economia de gastos, maior celeridade na tramitação de processos e maior integração entre os tribunais, dentre vários outros.

Amazonas
A comarca de Iranduba, a 22km da capital, foi a primeira do Estado – e uma das primeiras do país – a implementar o Processo Judicial Eletrônico (PJe). O evento de inauguração do PJe no Amazonas aconteceu no último dia 17 de maio.

Durante a solenidade, o corregedor-geral de Justiça, desembargador Yedo Simões, externou a satisfação de poder prestigiar mais essa conquista do judiciário amazonense e destacou a capacidade do povo da região em vencer desafios. “É grande a felicidade que sinto hoje com a implantação do PJe no interior do Amazonas. Isso é prova de que nós, amazônidas, somos entusiastas e que todas às vezes que se planeja algo no Brasil, no nosso interior, com todas as dificuldades, conseguimos caminhar às vezes até na frente dos outros”, comenta

Para Simões, o sistema do CNJ torna realidade a “Justiça sem papel” e automatiza o registro de dados para criação de indicadores nacionais que orientem o planejamento estratégico do judiciário brasileiro com ações que vão desde a formulação de metas até o controle de resultados e adequação de condutas.

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *